Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Advogado Criminal (Direito Penal)

Divulgação de notícias e de opiniões sobre questões de interesse para a área criminal do Direito.

Advogado Criminal (Direito Penal)

Divulgação de notícias e de opiniões sobre questões de interesse para a área criminal do Direito.

Dois testes de ADN ilibam pai acusado de engravidar filha menor.

 

A comprovar-se uma prisão injustificada deste cidadão de Vila Real, a quem pedir responsabilidades?

-» Ao Juiz?

-» Ao Procurador?

-» À menor em causa?

-» Aos pseudo especialistas e comentadores das tvs, jornais e pasquins?

 

A culpa morrerá solteira, como é habitual.

A vida de uma família é que é destruída, sem reparação possível. Viverão sempre à luz do ditado popular (mesmo que não exista qualquer crime) "onde há fumo, há fogo".

 

Infelizmente este tipo de situações na nossa justiça é cada vez mais habitual.

Afinal, para os magistrados, psicólogos, psiquiatras e comunicação social, uma criança ou um adolescente nunca mentem sobre estas questões de abusos sexuais!!!

 

 

 

"Não deixaram margem para dúvidas os dois testes de paternidade que confirmaram que o homem acusado de ter engravidado a filha adotiva não é o pai da menina nascida há cerca de mês e meio.

 

O empreiteiro, de 50 anos, está preso preventivamente desde 9 de março, em Vila Real, por suspeita de abusos sexuais da menor.

Foram realizados dois testes de ADN por determinação do Ministério Público de Vila Real.

A investigação apontava no sentido de existirem também suspeitas de abusos sobre as filhas adotivas mais velhas, de 15 e 17 anos. Tanto o empreiteiro, como a mulher, uma professora universitária, de 46 anos, negaram os abusos sexuais. A mulher terá confidenciado a amigos que desconhecia a gravidez da menor até ao momento da denúncia anónima que desencadeou a investigação, em janeiro, e alegou que a mesma seria resultado do envolvimento da menina com um jovem, durante uma viagem a Milão, em junho de 2015.

A menor manifestou vontade em ficar com a bebé, que nasceu há mês e meio. A criança continua à guarda do hospital de Vila Real e a menor está a viver numa casa-abrigo que acolhe mães adolescentes.

As duas irmãs mais velhas foram retiradas à família no dia em que o pai foi detido e estão institucionalizadas. Os primeiros sinais da gravidez foram detetados aos cinco meses de gestação, durante uma aula de Educação Física. O Colégio onde as três irmãs estudavam, nunca esclareceu qual o procedimento adotado na altura. O caso só foi reportado à GNR em janeiro, através de uma denúncia anónima.

*com Nelson Morais "

 
Em: Jornal de Notícias.