Divulgação de notícias e de opiniões sobre questões de interesse para a área criminal do Direito.

.posts recentes

. Violência doméstica - pra...

. Condução de bicicleta enq...

. Declarações de arguido (n...

. Crime de ameaça (toxicode...

. Proibição de conversas in...

. Crime de perseguição.

. Crime de pornografia de m...

. O simplex nos tribunais. ...

. Delação premiada / impuni...

. Responsabilidades parenta...

.arquivos

. Setembro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Setembro 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Outubro 2011

Quarta-feira, 10 de Agosto de 2016

Vaga de incêndios em Portugal (mão criminosa).

 

Tal como em anos anteriores, Portugal enfrenta uma nova vaga de incêndios (alguns deles enormes e incontroláveis).

 

Em termos criminais as atitudes têm de mudar radicalmente.

É obvio que nem todos os incêndios são causados por mão criminosa.

Mas muitos são.

E a justiça portuguesa não pode ter mão pesada apenas quando morre alguém. Os tribunais têm de prevenir e de actuar na altura própria. Não podem servir apenas e só para punir quando acontece uma desgraça.

 

Ao longo dos últimos anos verificou-se que muitos dos "criminosos" que iniciam incêndios são cidadãos com problemas psiquiátricos e com um historial de alcoolismo crónico. A solução para estas pessoas não passa pela prisão. Passa por internamentos e tratamentos adequados em instituições especializadas.

No entanto a justiça portuguesa, nestes casos, hesita em aplicar estas soluções pois não existe uma "rede" própria do Estado com instituições deste tipo. E as que existem, a maioria particulares, não recebem subsídios do Estado e por isso apenas admitem para tratamento quem tem grandes capacidades económicas.

 

O Estado prefere ter "criminosos" à solta do que pagar para eles serem tratados em ambiente fechado.

 

A Segurança Social, mesmo quando interpelada pelos tribunais, por regra recusa pagar qualquer tratamento em instituição especializada.

 

 

 

publicado por Pedro Miguel Branco às 11:03
link do post | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
blogs SAPO

.subscrever feeds