Divulgação de notícias e de opiniões sobre questões de interesse para a área criminal do Direito.

.posts recentes

. Ataque informático.

. Suspensão provisória do p...

. Difamação ou liberdade de...

. Violência doméstica - pra...

. Condução de bicicleta enq...

. Declarações de arguido (n...

. Crime de ameaça (toxicode...

. Proibição de conversas in...

. Crime de perseguição.

. Crime de pornografia de m...

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Setembro 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Outubro 2011

Sexta-feira, 4 de Setembro de 2015

Sócrates enviado para casa (benefício do arguido ou ajuda à acusação)?

Informação disponível através do Jornal de Notícias:

 

Procuradoria-Geral da República:

"...a Procuradoria-Geral da República informava, em comunicado, que José Sócrates ficará em prisão domiciliária sem pulseira eletrónica, já que "diminuiu o perigo de perturbação do inquérito". Ficará também proibido de contactar outros arguidos no processo.

"O Ministério Público promoveu a alteração da medida de coação, por considerar que, face à prova reunida desde a última reapreciação, se mostra reforçada a consolidação dos indícios", revela o comunicado, onde se explica que "neste período foram ouvidas cerca de dez pessoas e realizadas mais de 30 diligências de buscas".

 

No entanto o Tribunal da Comarca de Lisboa revelou outra versão:

"A Comarca de Lisboa revela, numa nota de imprensa assinada pela juíza presidente do Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa, Amélia Catarino Correia de Almeida, que o Ministério Público não apresentou factos novos "face à reapreciação efetuada em 9 de junho de 2015, pelo que foi julgado desnecessário ouvir o arguido".

A informação acrescenta que o juiz de instrução fundou a medida agora aplicada, como já o tinha feito em junho, "no perigo de perturbação do inquérito na vertente de aquisição e conservação da prova", e não "no perigo de fuga"."

 

Afinal parece que esta decisão devia ter sido tomada na última reapreciação das medidas de coacção.

Os elementos e indícios são exactamente os mesmos.

 

Esteve mal, mais uma vez, a Justiça Portuguesa.

Em vez de assumir que errou em Junho, tenta agora emendar a mão, transformando uma simples reapreciação de medidas de coacção numa confusão jurídica, acrescentando até um inovador conceito de Direito: o reforço da consolidação dos indícios (já por si extremamente fortes para justificar a aplicação da medida de prisão preventiva).

 

 

 

 

 

 

 

publicado por Pedro Miguel Branco às 21:27
link do post | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
blogs SAPO

.subscrever feeds