Divulgação de notícias e de opiniões sobre questões de interesse para a área criminal do Direito.

.posts recentes

. Ataque informático.

. Suspensão provisória do p...

. Difamação ou liberdade de...

. Violência doméstica - pra...

. Condução de bicicleta enq...

. Declarações de arguido (n...

. Crime de ameaça (toxicode...

. Proibição de conversas in...

. Crime de perseguição.

. Crime de pornografia de m...

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Setembro 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Outubro 2011

Quarta-feira, 16 de Novembro de 2016

Proposta de alteração do Código Penal (crime de alienação parental).

PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DO CÓDIGO PENAL

(enviada para o Ministério da Justiça e para os grupos parlamentares da Assembleia da República).

 

Dado que a problemática da violência doméstica e da afectação dos menores pelos comportamentos dos pais está actualmente a ser discutida na Assembleia da República por iniciativa do Partido Socialista (PS), o partido que neste momento faz parte do Governo de Portugal, como simples Advogado e mero participante activo da Justiça no nosso país, venho por este meio propôr a criação de um novo ilícito criminal no Código Penal Português:

 

O CRIME DE ALIENAÇÃO PARENTAL

 

Crime esse que deve ser considerado como público, sem necessidade de apresentação de queixa e de acusação particular.

 

Numa sociedade igualitária, com direitos iguais para homens e mulheres, não se pode continuar a aceitar impunemente a existência de falsas denúncias por violência doméstica e abusos sexuais de menores apenas e só com o intuito de impedir o contacto do outro progenitor com o(a) filho(a) menor como forma de vingança pelo términus da relação amorosa/conjugal.

 

Sem transposição de um qualquer conceito de outro país relativamente a esta grave problemática, deve iniciar-se uma discussão formal com os vários intervenientes da Justiça e da Sociedade Civil (Juízes, Procuradores, Advogados, CPCJ, Segurança Social, Assistentes Sociais, Oficiais de Justiça, Associações nesta área, Médicos, Psiquiatras, Psicólogos, Deputados, Jornalistas, etc...) para se chegar a um consenso sobre a tipificação de tal crime no ordenamento jurídico português.

 

Os menores merecem todo esse trabalho.

 

O Advogado,

 

Pedro Miguel Branco

 

publicado por Pedro Miguel Branco às 16:37
link do post | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
blogs SAPO

.subscrever feeds