Divulgação de notícias e de opiniões sobre questões de interesse para a área criminal do Direito.

.posts recentes

. Violência doméstica - pra...

. Condução de bicicleta enq...

. Declarações de arguido (n...

. Crime de ameaça (toxicode...

. Proibição de conversas in...

. Crime de perseguição.

. Crime de pornografia de m...

. O simplex nos tribunais. ...

. Delação premiada / impuni...

. Responsabilidades parenta...

.arquivos

. Setembro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Setembro 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Outubro 2011

Quinta-feira, 19 de Março de 2015

Os hiper processos judiciais. A nova moda em Portugal.

A justiça em Portugal evolui. Muitas vezes para pior. Mas evolui.

Nem toda a evolução é benéfica para os cidadãos.

 

Esta humilde opinião encontra tradução na nova moda judicial em Portugal:

OS HIPER PROCESSOS.

 

À semelhança da evolução verificada no século passado das mercearias de bairro para os hipermercados, em nome da economia e da celeridade processuais !!!!!!!! o Ministério Público tem optado por juntar tudo o que encontra no mesmo saco, vg. processo, e acusar dezenas ou mesmo centenas de pessoas, tornando quase impossível a tarefa dos tribunais que irão julgar depois esses mesmos cidadãos. Isto no sentido de julgar bem, ou seja, procurar a verdade histórica e não apenas a processual.

 

O que nos leva depois a que os tribunais, atrapalhados com tanto arguido, simplifiquem o processo tentanto que este acabe o mais rápido possível, muitas vezes à custa dos direitos de defesa dos cidadãos que estão a ser julgados.

 

Não sei se tal irá acontecer no hiper processo com mais de 100 arguidos que irá iniciar-se em Bragança no próximo dia 11 de Maio. Acredito e espero que não.

No entanto fico, como se costuma dizer, "de pé atrás" quando verifico que um tribunal marca um julgamento deste tipo, quiçá o maior realizado em Portugal até à data (em número de arguidos), com pouco mais de dois meses de antecedência, sem qualquer consulta aos Advogados que participam no processo e sem qualquer possibilidade de adiamento das audiências (independentemente dos motivos).

E também me custa (mas não me surpreende) que esteja a ser construída uma sala de audiências em propriedade privada apenas para realizar este julgamento, sem que seja pedida a opinião e a colaboração (no que toca aos espaços e aos meios técnicos necessários) dos Advogados que são aqueles que mais tempo passarão naquele local (a maioria de fora da comarca de Bragança).

 

Mais uma vez, infelizmente, constato que para a Justiça em Portugal a participação dos Advogados nos processos criminais continua a ser uma mera imposição legal, não existindo qualquer relação de colaboração e de entreajuda, mesmo nos pormenores mais pequenos.

 

 

publicado por Pedro Miguel Branco às 15:54
link do post | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
blogs SAPO

.subscrever feeds