Divulgação de notícias e de opiniões sobre questões de interesse para a área criminal do Direito.

.posts recentes

. Ataque informático.

. Suspensão provisória do p...

. Difamação ou liberdade de...

. Violência doméstica - pra...

. Condução de bicicleta enq...

. Declarações de arguido (n...

. Crime de ameaça (toxicode...

. Proibição de conversas in...

. Crime de perseguição.

. Crime de pornografia de m...

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Setembro 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Outubro 2011

Quinta-feira, 24 de Dezembro de 2015

Doente morre no S. José. Responsabilidade criminal?

 

"A Renascença questionou o INEM por que razão transportou um doente com um quadro clínico que apontava para uma hemorragia quando no Hospital de São José não trabalham aquelas equipas médicas aos fins-de-semana.
Na resposta, por escrito, o INEM garante que se limitou a efectuar o transporte como lhe compete e depois de ter confirmado junto do Hospital de São José a aceitação da recepção do doente.

“Ao INEM compete garantir o transporte e confirmar junto da Unidade Hospitalar de destino a aceitação da recepção do doente. Assim foi feito, tendo a confirmação sido dada pelo neurocirurgião de serviço na unidade hospitalar que nos foi indicada como de referência”, lê-se na resposta escrita do INEM.

O Conselho de Administração do Hospital de São José abriu um inquérito para apurar o que realmente aconteceu."

Em: Rádio Renascença.

 

Desde logo poderá existir responsabilidade criminal e disciplinar neste caso.

Tudo depende da análise concreta dos factos. Nomeadamente se foi efectivamente aceite numa instituição hospitalar um doente, sabendo antecipadamente o responsável que o mesmo não poderia receber os cuidados clínicos adequados em tempo útil e se foram contactados médicos durante o fim de semana para operar o paciente em estado crítico e recusaram-se a fazê-lo por motivos meramente financeiros. Entre outros "pormenores".

O direito à vida é um direito fundamental consagrado na Constituição da República Portuguesa (no artigo 24º). Não pode ser legalmente colocado em "segundo plano" devido a questões económicas.

 

Independentemente da responsabilidade política que possa existir devido aos cortes financeiros realizados nos últimos anos pelo Governo português, poderão efectivamente existir aqui outro tipo de responsabilidades (disciplinar e criminal). Além de uma eventual obrigação indemnizatória por danos patrimoniais e não-patrimoniais causados.

 

Deve também ser apurado se já faleceram pacientes anteriormente pelos mesmos motivos no Hospital em causa.

 

 

publicado por Pedro Miguel Branco às 14:47
link do post | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
blogs SAPO

.subscrever feeds