Divulgação de notícias e de opiniões sobre questões de interesse para a área criminal do Direito.

.posts recentes

. Violência doméstica - pra...

. Condução de bicicleta enq...

. Declarações de arguido (n...

. Crime de ameaça (toxicode...

. Proibição de conversas in...

. Crime de perseguição.

. Crime de pornografia de m...

. O simplex nos tribunais. ...

. Delação premiada / impuni...

. Responsabilidades parenta...

.arquivos

. Setembro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Setembro 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Outubro 2011

Quarta-feira, 8 de Março de 2017

Direito de contacto de cidadão detido com Advogado.

"À Comissão dos Direitos Humanos, Questões Sociais e Assuntos da Natureza foram comunicadas violações graves do direito de contacto de advogado com cidadão detido em esquadra da P.S.P..

A violação sistemática das mais elementares garantias de defesa dos cidadãos, por um lado, e, por outro, do direito/dever de patrocínio, que impõe que ao Advogado se assegurem as imunidades necessárias ao exercício do mantado, reconhecendo-se ao patrocínio forense um papel essencial na administração da justiça, é preocupante e assume inusitada gravidade.

Consciente dessa gravidade, e sem prejuízo das medidas a este respeito tomadas junto das entidades competentes, entende-se fundamental dar conta a todos os Colegas do reconhecimento legal do direito de o detido contactar com o seu advogado a qualquer hora do dia ou da noite (artigo 124.º, n.º 2 do Código de Execução de Penal e Medidas Privativas da Liberdade), quer este esteja em instalação de órgão de polícia criminal, estabelecimento prisional ou zona de detenção dos tribunais.

Este direito, ressalvadas eventuais restrições impostas por Juiz de Instrução, não deve sofrer qualquer reserva, nomeadamente temporal."....

 

Comunicado da Comissão dos Direitos Humanos da Ordem dos Advogados.

 

presos.jpg

 

publicado por Pedro Miguel Branco às 13:53
link do post | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
blogs SAPO

.subscrever feeds