Divulgação de notícias e de opiniões sobre questões de interesse para a área criminal do Direito.

.posts recentes

. Violência doméstica - pra...

. Condução de bicicleta enq...

. Declarações de arguido (n...

. Crime de ameaça (toxicode...

. Proibição de conversas in...

. Crime de perseguição.

. Crime de pornografia de m...

. O simplex nos tribunais. ...

. Delação premiada / impuni...

. Responsabilidades parenta...

.arquivos

. Setembro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Setembro 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Outubro 2011

Segunda-feira, 20 de Março de 2017

Comunicações entre o Advogado e o Arguido estrangeiro.

 

"À Comissão dos Direitos Humanos, Questões Sociais e Assuntos da Natureza foi comunicada a não disponibilização de intérprete para as comunicações entre o Defensor e o Arguido que não fale ou não compreenda a língua portuguesa, no âmbito de processo penal em curso.

 

A Comissão sublinha que, segundo a Diretiva n.º 2010/64/UE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 20 de outubro de 2010, relativa à interpretação e tradução em processo penal, “os Estados-Membros asseguram que, caso tal seja necessário à garantia da equidade do processo, seja disponibilizada interpretação para as comunicações entre o suspeito ou acusado e o seu defensor legal directamente relacionadas com qualquer interrogatório ou audição no decurso do processo, com a interposição de um recurso ou com outros trâmites de carácter processual.” (artº 2.º, n.º 2).

 

Mais se assinala que “a comunicação entre o suspeito ou acusado e o seu defensor legal deverá beneficiar de interpretação nos termos da presente directiva. O suspeito ou acusado deverá poder, designadamente, explicar ao defensor legal a sua versão dos factos, indicar as declarações de que discorde e dar-lhe a conhecer elementos que devam ser aduzidos em sua defesa.” (Considerando 19 da Diretiva),

 

E que “para efeitos da preparação da defesa, as comunicações entre o suspeito ou acusado e o seu defensor legal directamente relacionadas com qualquer interrogatório ou audição no decurso do processo, com a interposição de um recurso ou com outros trâmites de carácter processual, como o pedido de libertação sob caução, deverão beneficiar de interpretação, caso tal seja necessário ao propósito de garantir a equidade do processo.” (Considerando 20 da Diretiva).

 

O direito a ser assistido por Defensor em todos os atos processuais em que participe, bem como o direito de intervir no inquérito, na instrução, em julgamento ou em recurso pressupõe a possibilidade de comunicação efetiva do Arguido com o seu Advogado.

 

Espera a Comissão dos Direitos Humanos, Questões Sociais e Assuntos da Natureza ver possibilitado ao Arguido que não fale ou não compreenda a língua portuguesa o pleno exercício do direito de defesa, nomeadamente através da faculdade de expor ao seu Defensor a sua versão dos factos e demais elementos que tenha por relevantes, acompanhado de intérprete, sempre que tal se mostre necessário a assegurar o seu direito a um processo equitativo."

 

Comunicado da Comissão dos Direitos Humanos, Questões Sociais e Assuntos da Natureza da Ordem dos Advogados.

 

rede.jpg

 

 

publicado por Pedro Miguel Branco às 19:45
link do post | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
blogs SAPO

.subscrever feeds