Divulgação de notícias e de opiniões sobre questões de interesse para a área criminal do Direito.

.posts recentes

. Violência doméstica - pra...

. Condução de bicicleta enq...

. Declarações de arguido (n...

. Crime de ameaça (toxicode...

. Proibição de conversas in...

. Crime de perseguição.

. Crime de pornografia de m...

. O simplex nos tribunais. ...

. Delação premiada / impuni...

. Responsabilidades parenta...

.arquivos

. Setembro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Setembro 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Outubro 2011

Sexta-feira, 29 de Junho de 2012

Crise faz aumentar crime?

 

Todos temos visto títulos na comunicação social nos últimos meses, do tipo Crise financeira na Europa faz aumentar corrupção”; “Despedimentos fazem aumentar o crime; Crise faz aumentar fraude fiscal em Portugal”; Crise faz aumentar processos em tribunal”; Crise é causa de aumento do crime violento”, etc.

Será então isso verdade? A actividade criminosa prospera com a crise económica?

Tudo aponta para uma resposta afirmativa.

 

No entanto uma curiosidade desponta dessa triste realidade. Não são os “criminosos de carreira” que passam a violar mais a lei. São os cidadãos comuns que, vendo-se perante graves dificuldades em pagar as suas contas ao final do mês, desesperados, tentam encontrar soluções à margem da lei.

Se visse os meus filhos a passar fome porque tinha ficado desempregado e já não tinha qualquer tipo de ajuda, se calhar faria o mesmo. Qualquer um de nós, que cumprimos as normas legais no dia-a-dia, em situações-limite também podemos cometer crimes.

 

Ainda há poucos dias uma professora de uma escola comunicou ao director da mesma que um jovem de 12 anos sentiu-me mal disposto de manhã em plena aula porque não tinha tomado o pequeno almoço em casa. Não por falta de apetite, nem por pressa, mas porque nenhum alimento tinha na sua residência dado a mãe estar desempregada há muito tempo. Jantou no dia anterior esperando que a barriga aguentasse até ao almoço servido na escola.

 

 

Este é apenas um exemplo dramático da realidade do nosso país, cada vez mais pobre. No entanto, Passos Coelho dá o pior como tendo passado e ainda nos goza elogiando a paciência dos portugueses. O Bispo D. Januário Torgal ficou chocado com tais palavras, lembrando Salazar nos seus discursos ao povo.

Em vez de atacar as causas ajudando os mais desfavorecidos e os desempregados, o Governo entende que para resolver esta questão do aumento da criminalidade deve avançar com uma agravação generalizada das penas e com a retirada de muitos direitos e garantias processuais. Além de, como também não podia deixar de ser dada esta lógica apenas economicista de governar, aumentar as taxas de justiça e encerrar dezenas de tribunais no interior do país de forma a que a chamada “Justiça de Fafe” se generalize e assim se poupem mais uns euritos para podermos pagar à troika e aos assessores e administradores nomeados por causa da crise para acompanhar a evolução da mesma. Todos principescamente remunerados.

 

Por um lado a crise económica aumentou a criminalidade. Muitos cidadãos desesperados cometem crimes e não pagam os seus impostos ao Estado.

Por outro lado, o Governo corta em quase tudo, aumenta os impostos e as taxas e agrava as penas para os crimes. E paga salários fabulosos a administradores e a assessores.

Passos Coelho teve a virtude de se tornar no “Robin dos Bosques” dos mais ricos e poderosos. Enquanto vê o povo a passar fome, tenta cobrar o máximo possível para dar ainda mais a quem tudo sempre teve.

A lógica popular de quem rouba para comer não deve ser condenado, dá agora lugar à regra de que quem tira pouco deve ser punido para dar o exemplo e quem muito rouba tem sempre o benefício da dúvida.

 

Pedro Miguel Branco

 

 

publicado por Pedro Miguel Branco às 18:21
link do post | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
blogs SAPO

.subscrever feeds